Obesidade infantil cresce no mundo das telas

Não é de hoje que a obesidade e o sobrepeso infantil preocupam os especialistas. Veja esses dados: segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), uma em cada três crianças, com idade entre cinco e nove anos, está acima do peso. Conforme a Organização Mundial da Saúde (OMS), em 2025, o número de crianças obesas no mundo pode chegar a 75 milhões. Diante da pandemia do coronavírus a realidade ainda é mais grave: crianças sedentárias, sem estímulos sociais da escola, mais tempo dentro de casa, ociosidade e falta de brincadeiras em parques, praias e playgraud. Os recursos financeiros também estão mais escassos, portanto, produtos com nutrientes e vitaminas estão sendo trocados por processados e industrializados, sendo assim, com mais açúcar e sal. Infelizmente, as brincadeiras de rua estão sendo preteridas pelo vídeo game, computador e smartphone. No mundo das telas vivenciamos uma tragédia anunciada: a obesidade infantil com repercussão nas futuras gerações. Isto significa mais mortes pela diabetes, colesterol alto e pressão alta. 

Algumas orientações são importantes para combater a obesidade infantil:

Limite o uso das telas. Temos que sermos bem categóricos em relação a esse fenômeno. 

Evite o uso de frituras, embutidos e enlatados. Prefira cozinhar ou assar.

Descasque mais e desembale menos

Sobre aqueles estoques de biscoitos, doces e refrigerantes que você faz no armário da cozinha da casa? Esqueça isso! A criança sabe que vai ter esses produtos sempre à disposição. Não faça armazenagem desses produtos.

As brincadeiras nos parques e praças estão limitadas por causa da Covid-19, não é? Então, vamos adaptar a rotina da casa. Insira a criança nos afazeres domésticos, como guardar roupa, sapatos, brinquedos, lavar frutas e verduras.

Realize atividades físicas com seus pequenos: pule corda, faça bambolê, brinque de peteca, dance.

Estabeleça horário para se deitar e levantar, mesmo quando não for dia de escola.

Faça do momento da refeição um encontro familiar, agradável e harmonioso. Os pais são espelhos para os filhos, portanto, coma devagar e com alimentos saudáveis. As comidas devem ser coloridas, abusando de legumes e verduras. Também oriente a criança a comer sem líquido, inclusive sem o suco. Deixe a fruta in natura para comer na sobremesa. Ingerir a fruta é melhor do que tomar o suco, principalmente pelas fibras, melhora a saciedade.  

Introduza novos alimentos e fale dos nutrientes. Um “não” a um alimento não pode ser feito sem a justificativa.

Ofereça água ao longo do dia para as crianças. Muitas vezes elas estão precisando de água e não de guloseimas. 

E quando tudo isso passar leve mais o seu filho à feira livre. Deixe-o escolher também os legumes.

Com equilíbrio e moderação formaremos crianças em futuros adultos saudáveis.

Artigo originalmente escrito em http://www.folhape.com.br

×

Olá!

Selecione uma de nossas representantes ou envie um email para contato@rafaelcoelho.med.br

× Marque sua consulta